quarta-feira, 29 de setembro de 2010

domingo, 18 de julho de 2010

Canção Amiga

A Mansão do Diabo - 1986

Mansão do Diabo
Le Manoir du Diable (1896)


Filme de Georges Méliès produzido no ano de 1896, é a primera produção de filme de terror que se tem noticía. Georges Méliès (1961-1938) foi considerado o "pai dos efeitos especiais", foi o primeiro cineasta a usar desenhos de produção e storyboards para projetar suas cenas. Fez mais de 500 filmes e contruiu com primeiro estúdio cinematográfico da Europa.

Poema de sete faces

domingo, 30 de maio de 2010

terça-feira, 18 de maio de 2010

Virada Cultural Paulista 2010


Site com toda a programação de todas as cidades participantes
www.viradaculturalpaulista.sp.gov.br

Participe do:
Minuto na Virada Cultural Paulista 2010

 

 

Registre sua experiência, uma inspiração, algo curioso ou mesmo algum detalhe da programação durante a Virada (22 e 23 de maio) e faça um vídeo de até 1 minuto de duração.

Para participar, os vídeos precisam ser gravados durante a Virada Cultural (22 e 23 de maio) e enviados, até 31 de maio de 2010, para o concurso Minuto na Virada Cultural Paulista através do site do Festival do Minuto.

Prêmios:

- 10 prêmios de R$ 500,00 para os melhores vídeos
- 1 prêmio aquisição de R$ 1.000,00 para vídeo escolhido pela Virada Cultural Paulista

A Virada Cultural Paulista 2010 será realizada nas cidades de Araçatuba, Araraquara, Assis, Bauru, Caraguatatuba, Franca, Indaiatuba, Jundiaí, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santa Bárbara d'Oeste, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Sorocaba e na Região Metropolitana da Baixada Santista com Santos, Bertioga, Cubatão, Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, São Vicente.



terça-feira, 11 de maio de 2010

Wladimir Maiakovski (Incompreensíveis para as massas)

Do Programa Provocações da TV Cultura.
Narração Antônio Abujamra.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Animação_This Side Up

Animação _ Despertador

Animação_A Revolta do gari

Clips: Arnaldo Antunes

Poema_ O Passeio


Todos os direitos reservados ao autor. Você pode copiar, distribuir, exibir e executar desde que seja dado créditos ao autor. Você não pode fazer uso comercial desta obra.

Joan Miró

(Barcelona, 20 de abril de 1893 — Palma de Maiorca, 25 de dezembro de 1983)
Importante escultor e pintor surrealista catalão.





"Eu não invento nada, está tudo aqui! É por isso que tenho de viver aqui!." Miró




Explicação de Miró sobre a criação de suas obras:




"Números e constelações em Amor com uma Mulher"
Essa obra está no ranking das obras de arte mais famosas do mundo.

Mais sobre Joan Miró em :


__ 


terça-feira, 6 de abril de 2010

A Cantiga do Miserável


Todos os direitos reservados ao autor. Você pode copiar, distribuir, exibir e executar desde que seja dado créditos ao autor. Você não pode fazer uso comercial desta obra.

AMADA

Todos os direitos reservados ao autor. Você pode copiar, distribuir, exibir e executar desde que seja dado créditos ao autor. Você não pode fazer uso comercial desta obra.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Sr. Pé de Alface


Todos os direitos reservados ao autor. Você pode copiar, distribuir, exibir e executar desde que seja dado créditos ao autor. Você não pode fazer uso comercial desta obra.

O Buraco no Espelho

terça-feira, 2 de março de 2010

Jingles antigos

Jingles de Propagandas Antigas - Mappin, Sonrisal, Chevrolet, Seleto e Grapette.

Documentário Miriam Muniz

Documentário sobre esta grande artísta do nosso Teatro.
Myriam Muniz de Melo (São Paulo, 28 de outubro de 1931 — São Paulo, 18 de dezembro de 2004)







Sobre O Natural

 
Todos os direitos reservados ao autor. Você pode copiar, distribuir, exibir e executar desde que seja dado créditos ao autor. Você não pode fazer uso comercial desta obra.

segunda-feira, 1 de março de 2010

A Logica das Pequenas coisas

 

Todos os direitos reservados ao autor. Você pode copiar, distribuir, exibir e executar desde que seja dado créditos ao autor. Você não pode fazer uso comercial desta obra.

A Hora da Caveira_Poemas


Todos os direitos reservados ao autor. Você pode copiar, distribuir, exibir e executar desde que seja dado créditos ao autor. Você não pode fazer uso comercial desta obra.

Soturnos, Malditos e proféticos

Arthur Conan Doyle

Sir Arthur Ignatius Conan Doyle, (Edimburgo, 22 de Maio de 1859 — Wildlesham, 7 de Julho de 1930), mais conhecido como Arthur Conan Doyle, foi um escritor britânico, mundialmente famoso por suas 60 histórias sobre o detetive Sherlock Holmes, consideradas uma grande inovação no campo da literatura criminal. Foi um escritor prolífico cujos trabalhos incluem histórias de ficção científica, novelas históricas, peças e romances, poesia e obras de não-ficção. Espiritismo: Conan Doyle, no ano de 1887 trava seu primeiro contato com o espiritismo, iniciando neste mesmo ano, junto ao seu amigo Ball, arquiteto de Portsmouth, sessões mediúnicas que o fizeram rever seus conceitos. Sua obra literária, então, ganha notoriedade, atingindo milhares de leitores. No auge da fama, em 1918, enfrenta todos os céticos e publica A Nova Revelação, obra em que manifesta sua convicção na explicação espírita para as manifestações paranormais estudadas a esmo durante o século XIX, e inicia uma série de outras, em meio a palestras sobre o tema. Sua convicção foi além: para receber o título de Par (Peer) do Reino Inglês, foi-lhe imposta a condição de renunciar às suas crenças. Confrontando a todos, e ao sectarismo vigente, permaneceu fiel à fé que abraçara, e que acompanhou até seus últimos dias. Foi Presidente Honorário da Federação Espírita Internacional, Presidente da Aliança Espírita de Londres e Presidente do Colégio Britânico de Ciência Espírita. Dentre suas obras, destacam-se os dois volumes de "A História do Espiritismo", pormenorizado estudo sobre a história dos movimentos espiritualista anglo-saxônico e espírita francês. A Grande Guerra Boer: Em 9 de Agosto de 1902 Arthur Conan Doyle foi nomeado cavaleiro pela sua importante participação na Guerra Boer. Trabalhou na linha de frente da batalha como cirurgião, e foi elogiado pelos compatriotas pela coragem e determinação na prestação de socorro. Regressando à Inglaterra escreveu um livro escolar com o título A Grande Guerra Boer.

 

SHERLOCK EM PLENO JOGO :

Muitas crianças acreditam em Papai Noel, já os adultos acreditam em Sherlock Holmes, vivendo em sua casa e estúdio em 21b, Baker Street. Mas na verdade o endereço, hoje ocupado por uma associação sherlockiana, recebe milhares de cartas todos os anos pedindo ajuda e conselho ao grande criminólogo. O sucesso do detetive criado em 1887 (Um estudo em vermelho) pelo médico e escritor Sir Arthur Conan Doyle, foi tão grande e profundo que até quando ele "morreu" em O problema final, o autor teve de inventar uma saída para fazê-lo ressurgir, face à comoção do público. A essa altura, grupos associações, sociedades de estudiosos e cultores Holmesianos espalhavam-se por todo o mundo, constituindo centenas de milhares de fãs quase que dependentes das aventuras do maior gênio dedutivo de todos os tempos. Doyle teria baseado seu investigador no seu antigo professor, Dr. Joseph Bell, da Escola Médica de Edimburgo, famoso pelo seu poder dedutivo. Outras características são profundamente enraizadas na época - Os crimes de Jack, o estripador aconteceram em 1888 - explicando em parte a grande identificação popoular com o personagem. Holmes era um machista e misógino de primeiríssimo time, sempre desconfiando e desprezando as mulheres. Suspeitamente, dividia suas peripécias com a permanente companhia do amigo, médico e seu biógrafo, Dr. Watson. Por isso, também, não tinha que se preocupar com seu esporte preferido: a cocaína, considerada um "droga recreativa" pela legislação da época. Outro de seus prazeres era o violino, que tocava virtuosamente. Esses dois hábitos ajudavam-no a relaxar e refletir poderosamente, de forma que nenhuma pista lhe escapava. Nunca houve, nem haverá, dirão seus seguidores, igual capacidade de dedução e observação, além de uma incrível cultura funcional: Holmes dedicava-se, também, a estudos aprofundados e monografias sobre pegadas, manchas, impressões, tipos de cinzas de charutos e outros assuntos que sempre se revelaram fundamentais para a captura de criminosos ou solução de enigmas. Por aí, ele pode ser considerado um precursor da moderna criminologia científica.

EDGAR ALLAN POE

Boston, 19 de Janeiro de 1809 — Baltimore, 7 de Outubro de 1849. Foi um escritor, poeta, romancista, crítico literário e editor americano. Poe é considerado, juntamente com Júlio Verne, um dos precursores da literatura de ficção científica e fantástica modernas. Voluntarioso, irresponsável, bêbado e amaldiçoado. A curta vida de Edgar Allan Poe foi tão ou mais tortuosa que sua obra. Esta, entretanto, atingiu um público em escala planetária e se projetou no futuro. Poe é um dos autores que influenciou mais artistas em todo mundo e seus livros são precursores em vários gêneros, que ele ajudou a se tornarem verdadeiramente literatura. O macabro, o mistério, a ficção mostram-se como extensões da natureza humana, que o escritor americana capta genialmente e reverte numa poesia vigorosa, estarnha, sombria, que retarta as anomalias da alma, onde as alucinações são tratadas com tal realismo que superam a própria normalidade. Seus personagens são inquietos, febris, em corpos frágeis e doentios, introvertidos e sensíveis, voltados para seus próprios devaneios e fantasias, isolados das pessoas normais (O Corvo, A queda da casa de Usher, O caso do Sr. Valdemar, O enterro prematuro). Poe também é atraido pelas diversas manifestações do acaso, como jogos, charadas, criptogramas e situações "detetivescas" (O Escaravelho de ouro, Os crimes da rua Morgue). Interessado em ciências , seus poemas A Aventura sem par de um certo Hans Pfall e A Balela do balão, teriam influenciado Júlio Verne em cinco semanas em um balão. Identificado literariamente como um romântico tardio, Poe influenciou os simbolistas - em especial Baudelaire, que escreveu sua biografia - Mallarmé, Rimbaud, Valéry; e destes, sua herança é reclamada até aos surrealista. Romancistas o citam como influência principal, desde Maupassant até Oscar Wilde; podemos sentir Poe ressoando em Kafka, Jorge Luís Borges, em Augusto dos Anjos e Campos de Carvalho. Ravel dizia que sua técnica musical devia a Poe; Conan Doyle calcou seu Sherlock Holmes no Dupin de Poe, e H.G. Wells foi seu discípulo na ficção ciêntifica. Poe era filho de um casal de atores fracassados. Morreu em Baltimore, de uma grande bebedeira, aos 40 anos. Em sua vida foi perseguido por uma série de azares, órfão prematuro, abandonado pela namorada, expulso de faculdades e academias por jogar e beber demais. Gêneros: As obras mais conhecidas de Poe são Góticas, um gênero que ele seguiu para satisfazer o gosto do público. Seus temas mais recorrentes lidam com questões da morte, incluindo sinais físicos dela, os efeitos da decomposição, interesses por tapocrifação, a reanimação dos mortos e o luto. Muitas das suas obras são geralmente consideradas partes do gênero do romantismo negro, uma reação literária ao transcendentalismo, o qual Poe fortemente não gostava. Além do horror, Poe também escreveu sátiras, contos de humor e hoaxes. Para efeito cômico, ele usou a ironia e a extravagância do rídiculo, muitas vezes na tentativa de liberar o leitor da conformidade cultural. De fato, "Metzengerstein", a primeira história que Poe publicou, e sua primeira incursão em terror, foi originalmente concebida como uma paródia satirizando o gênero popular. Poe também reinventou a ficção científica, respondendo na sua escrita às tecnologias emergentes como balões de ar quente em "The Balloon-Hoax". Poe escreveu muito de seu trabalho usando temas especificamente oferecidos para os gostos do mercado em massa. Para esse fim, sua ficção incluiu muitas vezes elementos da popular pseudociência, como frenologia e fisiognomia. Teoria literária: A escrita de Poe reflete suas teorias literárias, que ele apresentou em sua crítica e também em peças literárias como "The Poetic Principle". Ele não gostava de didaticismo e alegoria, pois acreditava que os significados na literatura deveriam ser uma subcorrente sob a superfície. Trabalhos com significados óbvios, ele escreveu, deixam de ser arte. Ele acreditava que o trabalho de qualidade deveria ser breve e concentrar-se em um efeito específico e único. Para isso, ele acreditava que o escritor deveria calcular cuidadosamente todos sentimentos e idéias. Em "The Philosophy of Composition", uma peça na qual Poe descreve seu método de escrita em "The Raven", ele afirma ter seguido estritamente este método. Porém, foi questionado se ele realmente seguiu esse sistema. T. S. Eliot disse: "É difícil para nós lermos esta peça sem pensar se Poe escreveu seu poema com tanto cálculo, ele poderia ter pego um pouco mais de dores sobre isto: o resultado dificilmente tem crédito ao método". O biógrafo Joseph Wood Krutch descreveu a peça como "um exercício um tanto engenhoso na arte de racionalização".

H. G. WELLS


Filho de um casal de empregados domésticos que abriram um pequeno negócio, frágil e baixinho, Herbert George Wells nasceu em 1866, na Inglaterra. Passou grande parte de sua vida lutando contar o preconceito social que experimentou na própria carne - só conseguiu estudar graças a bolsas de estudo que seu talento irreprimível obtinha - e procurando a felicidade em numerosos e difíceis casos amorosos. Na maturidade, já famoso e respeitado, dedicou-se à causas sociais, juntando-se à socialista Sociedade Fabiana de Londres - dirigida por Bernard Shaw - que revitalizou com os debates que promoveu, introduzindo as questões pessoais, sexuais, na esfera dos problemas políticos. Foi um batalhador pela liga das Nações e um permanente combatente da paz, presente em todos os conflitos que surgiram em sua época. Morreu aos 80 anos, em 1946, na condição de maior e mais influente escritor de seu tempo. Embora o tema tenha muita antecedência, H.G. Wells pode com toda justiça ser considerado o pai da Ficção Científica. Sua vasta obra, de 166 livros, praticamente se divide entre fantásticos romances desse gênero "A Máquina do Tempo", "A Guerra dos Mundos", "O Homem Invisível", "A Ilha do Dr. Moreau", entre muitos outros, e livros e ensaios antecipativos sobre as possibilidades futuras do Homem, da Ciência e da sociedade. Entre uma e outra linha de reflexão, Wells predisse uma surpreendente quantidade de invenções e práticas que hoje são realidades corriqueiras: a guerra química, a bomba A, computadores. À medida que envelhecia, Wells foi-se tornando cada vez mais pessimista acerca do futuro da humanidade, como é sugerido pelo título do seu último livro, Mind at the End of its Tether. Os seus últimos livros tendiam a pregar mais do que a contar uma história, e não tinham a energia e inventiva dos trabalhos iniciais. A sua autobiografia foi publicada em 1934, com o título An Experiment in Autobiography. Também é autor de uma extraordinária obra de não-ficção, intitulada "The outline of History: Being a Plain History of Life and Mankind", em dois volumes, 1920, que no Brasil teve várias edições na década de 50, sob o título de "História Universal". A sua correspondência com George Bernard Shaw também foi publicada.

Fontes:
Texto: Revista TVA/maio 1997

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Os Gatos de Ulthar_Conto de H.P. Lovecraft

Uma pequena vila é atormentada por um casal de velhos que insiste em capturar e matar os gatos dos vizinhos.

"Ninguém Assistiu ao Formidável Enterro de sua Última Quimera, Somente a Ingratidão, Essa Pantera, Foi Sua Companheira Inseparável"

 
Curta/Documentário
Ano de Lançamento (BRASIL): 1977
Direção: Glauber Rocha

Di Cavalcanti Di Glauber, ou Ninguém Assistiu ao Formidável Enterro de Sua Última Quimera; Somente a Ingratidão, Essa Pantera, Foi Sua Companheira Inseparável é um curta polêmico, quando o pintor brasileiro Emiliano Di Cavalcanti morreu, Glauber Rocha foi ao funeral com uma câmera na mão e uma idéia (discutível) na cabeça. Glauber filmou o enterro, o corpo no caixão, enquanto a família de Di, aos berros, pedia para ele ir embora. Ao fundo, tocava o samba-funk ”Umbabarauma, Homem Gol”, na voz de Jorge Ben Jor. Premiado no festival de Cannes, mais tarde o filme foi proibido pela justiça brasileira, a pedido dos familiares de Di, alegando que Glauber desrespeitou o funeral e transformou aquele momento sagrado num carnaval.





Para DOWNLOAD deste curta e muitos outros filmes eu recomendo:
CINEMA CULTURA DOWNLOAD DE FILMES CULT E ANTIGOS

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Oscar Wilde_A Balada do Cárcere de Reading

A Balada do Cárcere de Reading
Tradução de Paulo Vizioli


I

O casaco escarlate não usou, pois tinha
De sangue e vinho o jeito;
E sangue e vinho em suas mãos havia quando
Prisioneiro foi feito,
Deitado junto à mulher morta que ele amava
E matara em seu leito.

Ao caminhar em meio aos Julgadores, roupa
Cinza e gasta vestia;
Tinha um boné de críquete, e seu passo lépido
E alegre parecia;
Mas nunca em minha vida vi alguém olhar
Tão angustiado o dia.

Eu nunca vi alguém na vida que tivesse
Tanta Angústia no olhar,
Ao contemplar a tenda azul que os prisioneiros
De céu usam chamar,
E as nuvens à deriva, que iam com as velas
Cor de prata pelo ar.

Num pavilhão ao lado, andei com outras almas
Também a padecer,
Imaginando se seu erro fora grave
Ou um erro qualquer,
Quando alguém sussurrou baixinho atrás de mim:
- O homem tem que pender.?

Cristo! As próprias paredes da prisão eu vi
Girando a meu redor
E o céu sobre a cabeça transformou-se em elmo
De um aço abrasador;
E, embora eu fosse alma a sofrer, já nem sequer
Sentia a minha dor.

Sabia qual o pensamento perseguido
Que lhe estugava o andar,
E por que demonstrava, ao ver radiante o dia,
Tanta angústia no olhar;
O homem matara a coisa amada, e ora devia
Com a morte pagar.

Apesar disso - escutem bem - todos os homens
Matam a coisa amada;
Com galanteio alguns o fazem, enquanto outros
Com face amargurada;
Os covardes o fazem com um beijo,
Os bravos, com a espada!

Um assassina o seu amor na juventude,
Outro, quando ancião;
Com as mãos da Luxúria este estrangula, aquele
Empresta do Ouro a mão;
Os mais gentis usam a faca, porque frios
Os mortos logo estão.

Este ama pouco tempo, aquele ama demais;
Há comprar, e há vender;
Uns fazem o ato em pranto, enquanto que um suspiro
Outros não dão sequer.
Todo homem mata a coisa amada! - Nem por isso
Todo homem vai morrer.

Não vai morrer um dia a morte de vergonha
Num escuro traspasso;
Nem há de Ter um pano a lhe cobrir o rosto,
E no pescoço um laço;
Nem através do chão vai atirar os pés
Para o vazio do espaço.

Não vai sentar-se, noite e dia no silêncio,
Com uma guarda tesa
Que há de vigiá-lo quando tenta o pranto
E quando tenta a reza;
Sempre a vigiá-lo, para que não roube
Da prisão sua presa.

Não vai na aurora despertar com vultos hórridos
Cruzando o seu umbral:
O tiritante Capelão todo de branco,
O Xerife espectral,
E o Diretor, de negro luzidio, e a cara
Do Juízo Final.

Nem vai vestir, com pressa comovente, as roupas
De almas condenadas,
Enquanto um médico boçal exulta, e anota
Suas torções crispadas,
Manuseando o relógio com um tique-taque
De horríveis marteladas.

Nem, a arear-lhe a garganta, vai sentir aflito
A sede que antecede
O carrasco, enluvado como um jardineiro,
Que vem junto à parede
E ata-o com três correias, para que a garganta
Não sinta mais a sede.

Nem curvará a cabeça para ouvir o Ofício
Fúnebre ser lido;
Nem, enquanto o terror lhe diz dentro do peito
Não ter ele morrido,
Com seu caixão há de cruzar, ao se mover
Para o estrado temido.

Nem através de um teto vítreo vai fitar
O espaço azul... lá atrás;
Nem com lábios de argila um dia vai rezar
Para implorar a paz;
Nem, por fim, vai sentir em sua face trêmula
O beijo de Caifás.

II

Nosso guardião passeou no pátio seis semanas
O cinza ainda vestia.
Com seu boné de críquete e seu passo lépido
Que alegre parecia;
Mas nunca em minha vida vi alguém olhar
Tão angustiado o dia.

Eu nunca vi alguém na vida que tivesse
Tanta angústia no olhar,
Ao contemplar a tenda azul que os prisioneiros
De céu usam chamar,
E as nuvens divagantes arrastando velos
Enredados pelo ar.

Não contorcia as mãos, como o imbecil que tenta
Nutrir, com cego afã,
No antro do negro Desespero, essa enjeitada
Que é a Esperança vã;
Ele apenas se punha a contemplar o sol,
Sorvendo o ar da manhã.

Não contorcia as mãos, e nunca, fraco ou frouxo,
Chorava em seu alinho,
Mas o ar, como se fosse anódino saudável,
Sorvia ali, sozinho;
E, com a boca aberta, ele sorvia o sol
Como se fosse vinho!

E, no outro pavilhão, eu e as demais almas
Também a padecer,
Tendo esquecido se nosso erro fora grave
Ou um erro qualquer,
Olhávamos entanto, com obtuso espanto,
Aquele que ia pender.

E estranho era notar, passando, como lépido
E alegre parecia;
E estranho era observar o modo como olhava
Tão angustiado o dia;
E estranho era pensar como era grande a dívida
Que ele pagar devia.

O olmo e o carvalho têm folhagens agradáveis,
Primaveril tributo;
Já a forca, onde a serpente finca embaixo o dente,
É uma árvore de luto,
E, verde ou ressequida, lá se perde a vida
Bem antes que dê fruto.

O mundano procura algum lugar na altura
Como o maior troféu;
Mas quem vai ao encalço do alto cadafalso
E da corda do réu,
Para enxergar por uma gola de assassino
A última vez o céu?

Se brilham vida e amor ao som de violinos
É doce e bom dançar;
Dançar seguindo a pauta do alaúde ou flauta
É ameno e singular;
Não é doce, ao revés, quando com ágeis pés
Se dança encima do ar!

Com mórbida suspeita, em curiosa espreita,
O olhamos dia a dia,
Cada um também assim a imaginar seu fim,
Por que ninguém sabia
Qual rubro inferno horrível sua não visível
Alma atormentaria.

Não mais, por fim, o morto caminhava em meio
Aos Julgadores seus,
E eu sabia que estava na terrível jaula
Com o banco dos réus,
E que seu rosto eu nunca mais veria neste
Doce mundo de Deus.

Fomos dois barcos condenados na tormenta,
Cruzando um do outro a via;
Não fizemos sinal e não dissemos nada...
Nada a dizer havia,
Pois nosso encontro não se deu na noite santa,
Mas no infamante dia.

Sendo dois réprobos, por muros de prisão
Vimo-nos, pois, rodeados;
Este mundo expulsara a nós de seu regaço,
E Deus, de seus cuidados;
Na armadilha de ferro sempre à espera do Erro
Nós fomos apanhados.

III

No pátio o chão é duro, alto o infiltrado muro
Aos que devem pagar;
E era ali nesse limbo, sob um céu de chumbo,
Que ele vinha por ar,
A cada lado um Carcereiro, por temor
De que fosse expirar.

Ou noite e dia se sentava em sua angústia,
Com uma guarda tesa
Sempre a vigiá-lo - vendo-o erguer-se para o pranto,
Curvar-se para a reza;
Sempre ali a vigiá-lo, para que o patíbulo
Não roubasse da presa.

Era o Regulamento, para o Diretor,
Sabidamente o forte;
Proclamava o Doutor que é um fato científico,
E nada mais, a morte;
Dois folhetos por dia o Capelão deixava,
Um piedoso suporte.

E cachimbo e cerveja, ao dia duas vezes,
Tinha ele em tempo certo;
Jamais oferecia esconderijo ao medo
Seu espírito aberto;
E muita vez dizia da sua alegria
Por ter o algoz tão perto.

E carcereiro nenhum indagava porque
Tinha esse estranho gosto:
O homem, a quem a sina sem mercê destina
No cárcere tal posto,
Precisa colocar nos lábios um cadeado
E mascarar o rosto.

Senão vai comover-se, e tentará ajudar
Àquele que o consterna;
E o que pode a Piedade em Antro de Assassinos,
Presa à mesma caverna?
Que palavra encontrar que possa confortar
A pobre alma fraterna?

Cabisbaixos gingamos em torno ao pavilhão,
Os Bufões em parada!
Pouco importava a nós, pois éramos a atroz,
Satânica Brigada:
E a cabeça raspada e pés de chumbo fazem
Alegre mascarada.

E a Brigada rasgava a corda de alcatrão
Com as unhas sangrantes;
Ela escovava o chão, esfregava o portão,
E as grandes cintilantes;
E lavava o assoalho, em alas no trabalho,
Com baldes reboantes.

E inda as pedras quebrava, os sacos remendava,
Co?a broca erguia o pó;
As latas estrugia, os cânticos gania,
Suava junto à mó;
Porém, no peito de cada homem se escondia,
Mudo, um Terror sem dó.

E mudo, todo dia, em onda ele surgia -
Onda de ervas coberta;
Ninguém lembrava a dura sorte que amargura
A gente tola e a esperta,
Até passarmos nós, voltando do trabalho,
Por uma cova aberta.

Era amarelo esgar a boca a bocejar
E algo vivo a querer;
Para o sedento asfalto a lama suplicava
O sangue, seu prazer;
E soubemos nessa hora que antes de outra aurora
Alguém ia pender.

Reentramos com calma, remoendo n'alma
A Morte, o Medo e o Nada;
Co' uma sacola o algoz foi-se a arrastar os pés
Na sombria morada;
E cada homem tremia ao rastejar de volta
À tumba numerada.

Invadiam à noite o corredor vazio
Contornos de Temor,
Que erravam no desterro dessa rua de ferro
Com passos sem rumor,
E vinham, entre as barras que às estrelas velam,
Brancas faces compor.

Ele jazia como alguém que jaz e sonha
Em doce campo aberto;
Os carcereiros observavam-no a dormir,
Sem compreender, por certo,
Como podia dormir tal sono de abandono
Estando o algoz tão perto.

Os sonhos, porém, somem quando chora um homem
Que nunca chorou antes:
E assim, sem fim vigiamos nós - nós, os velhacos,
Os tolos, os meliantes;
E a nossas mentes veio, a rastejar, alheio
Terror com mãos crispantes.

Ai! Que tremenda coisa a remoer a culpa
Que é dos outros por direito!
Té o cabo envenenado a espada do Pecado
Cravou-se em nosso peito,
E foi chumbo fundido o pranto ali vertido
Pelo que fora feito.

Com sapatos de feltro os guardas se esgueiravam
Nas portas com cadeado;
O seu olhar de espanto via em cada canto
Um vulto recurvado;
E não sabiam por que se ajoelhava a orar
Quem nunca havia orado.

A noite toda oramos, loucos pranteadores
Do morto a nosso encargo!
As plumas no caixão eram as que agitava
A meia-noite ao largo;
E ao sabor do Remorso era o sabor da esponja
Com o seu vinho amargo.

Cantou o galo cinza, e então o galo rubro,
Mas nunca vinha o dia:
Com formas tortas, de tocaia em nossos cantos,
O Terror prosseguia;
Turbavam nossa paz todas as almas más
Que erram na hora tardia.

Em vôo veloz, iam por nós tal como um bando
Que em meio à neve passa;
Com torneio e torção, seu fino rigodão
Da lua faz chalaça,
Nesse encontro espectral de andamento formal
E repulsiva graça.

Com trejeitos se vão as sombras, mão com mão,
Formando uma cadeia;
Sua lenta ciranda era uma sarabanda
Em fantasmal colmeia,
Desenhando - os grotescos - doidos arabescos,
Como o vento na areia!

Fazendo piruetas como marionetes,
Saltitavam absortos;
Mas com flautas de Horror erguiam seus clamor
Hediondos e retortos...
Seu canto era alongado, seu canto era gritado,
Canto que acorda os mortos.

- Oho!? Clamavam. - Largo é o mundo! Mas que embargo
É um membro acorrentado!
E também é cortês, sim, uma ou outra vez
Arremessar o dado;
Na Casa da Vergonha, entanto, jamais ganha
Quem joga co'o Pecado.?

Não era apenas ar o bando a cabriolar
Com tal gozo e prazer:
Para quem tinha a vida por grilhões contida
E não podia correr -
Chagas de Cristo! - os seres eram coisas vivas,
Terríveis de se ver.

Rodavam frente a frente. Rindo tolamente,
Uns aos pares valsavam;
Outros, com requebrar próprio de um lupanar,
Nos degraus se esgueiravam...
Com seu desdém sutil e seu olhar servil,
A orar nos ajudavam.

Pôs-se então a gemer o vento da manhã,
Sem à noite espantar -
A noite que tecia a teia da agonia
No seu grande tear;
E, orando ali, bem cedo nos venceu o medo
Da Justiça Solar.

Gemendo, o vento em volta dos chorosos muros
Vagava; até que, enfim -
Roda de aço a girar - sentimos o arrastar
Dos minutos sem fim.
Vento gemente! O que fizemos para termos
Um senescal assim?

Eu vi então as negras barras (gelosia
Com o chumbo forjada)
Movendo-se, ante a minha cama de três pranchas,
Na parede caiada,
E soube que nalgum lugar fazia Deus
Ser vermelha a alvorada.

Às seis horas limpamos nossas celas,
Às sete tudo é espera...
E o vibrar e o voltear de uma asa poderosa
Sobre o cárcere impera,
Pois o Senhor da Morte - o bafo frio e forte -
Para matar viera.

Em real pompa não passou, nem cavalgou
Corcel branco-lunar.
O alçapão corredio e três jardas de fio
Bastam para enforcar:
Co'a corda da vergonha veio a ação medonha
O Arauto praticar.

Éramos como um bando em pântano tateando
Na suja escuridão:
Não ousávamos dar vazão à nossa angústia,
Dizer uma oração;
Algo morrera em nós, e o que morrera fora
A Esperança... a Ilusão.

Pois a cruel Justiça do Homem Segue avante,
Vai firme, não trepida:
Tanto ela mata quanto mata o forte
Em sua mortal corrida...
É com tacão de ferro que ela mata o forte
A hedionda parricida!

Grossa de sede a língua, à espera das oito horas
Sentamo-nos à toa,
Porque o bater das oito é o sino do Destino
Que nos amaldiçoa
E tem a seu serviço um laço corrediço
Para a alma ruim e a boa.

Ficamos cada qual à espera do sinal
(Nenhuma opção melhor),
Como coisas de pedra em vale solitário,
Sem voz e sem rumor;
Mas cada coração batia lesto e presto,
Qual louco num tambor!

Quando, em súbito choquem, vem do relógio um toque
Que fere o ar invernoso;
Então, todo o presídio deu triste gemido
De desespero ocioso,
Igual ao som que chega aos assustados charcos
Do covil de um leproso.

E, como muitas vezes no cristal de um sonho
Vê-se o pior delito,
Eis na trave enganchada a corda besuntada
De cânhamo maldito,
E eis o som da oração que o laço do carrasco
Estrangulou num grito.

Somente eu conheci a dor que o fez berrar
Com amargor tão forte,
E os remorsos violentos e suores sangrentos
De sua negra sorte:
Quem vive mais do que uma vida também deve
Morrer mais que uma morte.

IV

O Capelão não reza o culto na capela
Quando enforcam alguém:
Tem nesse dia o coração muito enojado,
Palor nas faces tem;
Ou aquilo que traz nos olhos estampado
Não deve olhar ninguém.

Assim, trancaram-nos ?té quase meio-dia;
E eis o sino afinal..
Nossos guardas abriram cada cela à escuta
Com tinir de metal,
E cada homem deixou, pelos degraus de ferro,
O Inferno pessoal.

Saímos para o doce ar do Senhor. Porém,
Não como se soía,
Visto que o medo acizentava o rosto de um
E o de outro embranquecia;
E nunca em minha vida vi um bando olhar
Tão angustiado o dia.

Eu nunca vi um bando que tivesse
Tanta angústia no olhar
Ao ver a tenda azul que de céu, no cárcere,
Usávamos chamar,
E cada nuvem descuidada que passava
Livre e feliz pelo ar.

Mas entre nós havia alguns que caminhavam
Com semblante caído,
Por que sabiam que eles é que a morte mereciam,
Tivessem o devido:
O outro matara quem vivia: eles, porém,
Quem havia morrido.

Quem peca vez Segunda acorda uma alma morta
Para nova aflição;
Ergue-a do pálio maculado e novamente
A faz sangrar então;
Grandes gotas de sangue ainda a faz sangrar,
E a faz sangrar em vão!

Quais monos ou bufões, eis-nos em feia veste
De flechas recamada...
Íamos em silêncio, à roda, sempre à roda,
Na lisa área asfaltada;
Íamos em silêncio, à roda, sempre à roda,
Ninguém a dizer nada.

Íamos em silêncio, à roda, sempre à roda,
E a Memória feroz
À mente oca invadia com atrozes coisas,
Tal como um vento atroz.
E à nossa frente o Horror marchava e, rastejando,
Vinha o Terror empós.

Andando acima e abaixo, os guardas dominaram
Seu bando de animais;
Vestiam todos uniformes impecáveis,
Trajes dominicais;
Mas no que haviam trabalhado a cal nas botas
Mostrava bem demais.

Pois onde antes se vira escancarada cova
Já não havia mais nada:
Apenas um espaço com areia e lama,
Junto à muralha odiada,
E abrasadora cal, para que mortalha
Ao homem fosse dada.

Sim, tem mortalha, esse infeliz! E tal mortalha
Pouca gente reclama,
Pois sob um pátio de prisão descansa nu
Para agravo da fama,
E, com grilhões de ferro em cada pé, é envolto
Por um lençol de chama!

E, cáustica, lhe come a cal, o tempo todo,
Osso e carne macia;
Devora os ossos quebradiços quando é noite,
E a carne quando é dia...
Dia e noite, porém, devora o coração,
Que a fome lhe sacia.

Por um longo triênio, mudas ou raízes
Ninguém lá vai plantar;
Por um longo triênio, estéril, nu será
O maldito lugar,
Que há de ficar mirando o azul de céu atônito
Sem repressão no olhar.

Julgam que o coração de um assassino os grãos
Plantados mancha e estanca.
Não é verdade! A terra franca do Senhor
Não sabem quanto é franca;
E a rosa rubra desabrocha inda mais rubra,
A branca inda mais branca.

A rosa rubra vem de sua boca, a branca
Do coração malquisto!
Quem dizer poderia por que estranha via
O seu querer faz Cristo,
Quando ante o papa até o bastão do peregrino
Reflorescer foi visto?

Mas rosa, rubra ou láctea, florescer não logra
Aqui no ar da prisão;
Aqui neste lugar, o cacom o seixo e a pedra
São tudo o que nos dão,
Por que sabem que as flores podem nos curar
A desesperação.

Portanto, nunca irá rosa alva ou cor-de-vinho
Cair despetalada
Naquele estreito espaço com areia e lama,
Junto à muralha odiada,
A anunciar que Deus quis que a vida de Seu Filho
Por todos fosse dada.

Contudo, embora o odiado muro da prisão
Ainda o cerque tirano,
E não possa um espírito vagar à noite
Com grilhões a seu dano,
E não possa um espírito chorar se jaz
Em tal solo profano,

Ele está em paz, o desgraçado... Ou logo em paz
Há de estar a alma sua:
Nada mais o perturba; e ali, ao meio-dia,
O Terror não o acua,
Visto que a terra úmida e sem luz em que descansa
Não tem nem Sol nem Lua.

Foi enforcado como enforcam animais:
Nem mesmo foi tangido
Um requiém para dar repouso a seu espírito
Confuso e espavorido;
Mas bem depressa o retiraram, e o puseram
Num buraco escondido.

Sem as roupas de estopa, foi arremessado
Ao mosqueiro voraz;
E todos riram da garganta rubra e inchada,
Do olhar fixo e tenaz...
E o desdém que gargalha eivou toda a mortalha
Em que o culpado jaz.

Junto à cova injuriada o Capelão não veio
De joelhos orar,
Nem a marcou co'a cruz bendita que deu Cristo
Ao pecador vulgar,
Pois era esse homem um daqueles a quem Cristo
Desceu para salvar.

Mas tudo bem! Cumpriu apenas o destino
Traçado pela vida;
E por um pranto estranho a urna da Compaixão,
Trincada, será enchida,
Pois párias vão pranteá-lo, e os párias choram sempre,
E choram sem medida.

V

Não sei se as Leis são justas ou se as Leis são falhas...
Isso não cabe a mim.
Nós só sabemos, na prisão, que o muro é forte;
Como sabemos, sim,
Que cada dia é um ano, um ano cujos dias
Parecem não ter fim.

Mas isto eu sei, que toda Lei que a humanidade
Fez para o Ser Humano -
Desde que a Abel matou Caim, e desde o início
De nosso mundo insano -
Transforma o trigo em palha e salva só o farelo
Com um cruel abano.

Também sei isto - e que isto seja em toda mente
Uma noção tranqüila:
Tijolos de vergonha é o que usam na prisão
Quando vão construí-la,
E grades põem para Jesus não ver como o homem
Os seus irmãos mutila.

Com barras o homem borra a graciosa lua
E cega o sol feraz:
E conservar coberto aquele Inferno é certo,
Pois lá dentro se faz
Algo que nem Filho de Deus nem Filho do Homem
Devem olhar jamais!

Como ervas venenosas as ações mais vis
Brotam no ar da prisão;
Ali, somente as coisas que são boas no Homem
Secarão, murcharão...
Guarda a porta pesada a Angústia; e o Carcereiro
É a Desesperação.

Lá a criança assustada fica à míngua até
Que chore noite e dia;
Lá se fustiga o fraco, e se flagela o tolo,
E ao velho se injuria;
Lá muitos endoidecem, todos se embrutecem,
Ninguém se pronuncia.

A nossa pequenina cela é uma latrina
De treva e sujidade.
E o bafo azedo e forte de uma viva Morte
Sufoca toda grade;
Resta a Luxúria só - e tudo mais é pó
Na mó da Humanidade.

A água salobre que bebemos traz consigo
Uma nojenta lama,
E o pão amargo que eles pesam na balança
Tem greda em cada grama,
E o Sono, com olhar selvagem, não se deita,
Mas para o Tempo clama.

Porém, se a magra Fome e a Sede estão qual áspide
E víbora em porfia,
Pouco importa a comida na prisão servida,
Pois o que mata e esfria
É que de noite o coração se torna a pedra
Que se ergue quando é dia.

Tendo no peito a meia-noite, e em sua cela
Crepúsculo eternal,
Cada homem rasga a corda ou gira a manivela
No Inferno pessoal,
Quando o silêncio é mais terrível do que o som
De um sino de metal.

E jamais se aproxima com palavras doces
A doce humana voz;
E o olho a vigiar constantemente junto à porta
É impiedoso e feroz...
E, nessa alheação, apodrecendo vão
Corpo e alma em todos nós.

E a corrente da Vida assim enferrujamos
Na torpe solidão:
E alguns homens praguejam, e outros homens choram
Ou nem gemidos dão...
Mas as eternas Leis de Deus rompem bondosas
O pétreo coração.

E cada coração no cárcere partido -
Na cela ou onde for -
É como aquele frasco roto que entregou
Seu tesouro ao Senhor,
E encheu o lar do impuro lázaro com nardo
Do mais alto valor.

Feliz o coração partido: pode a paz
Do perdão conquistar!
Senão, como o homem vai fazer reto o seu plano
E do Erro se limpar?
Como pode, a não ser por coração partido,
O Senhor Cristo entrar?

E o de garganta rubra e inchada, o de olhar fixo,
Aguarda enternecido
As santas mãos que ao paraíso o bom ladrão
Haviam conduzido;
E Deus jamais desprezará um coração
Contrito e arrependido.

Três semanas de vida deu-lhe o homem da Lei
Com a rubra casaca,
Três pequenas semanas, para curar na alma
O mal que à alma lhe ataca,
Limpar cada sinal de sangue sobre a mão
Que segurou a faca.

E ele lavou com lágrimas de sangue a mão
Que guiou o cutelo,
Pois só o sangue limpa o sangue, e apenas lágrimas
Livram do pesadelo...
E a nódoa carmesim que fora de Caim
De Cristo é o níveo selo.

VI

No cárcere de Reading junto a Reading Town
Há um fosso de má fama,
E nele jaz um desgraçado a quem devoram
Cruéis dentes de chama.
Jaz num sudário ardente, e o mísero sepulcro
Seu nome não proclama.

E, até que Cristo chame os mortos, ali possa
Em silêncio jazer...
Não é preciso dar suspiros ocos, nem
Tolo pranto verter:
Aquele homem matara a sua coisa amada,
E tinha que morrer.

Apesar disso - escutem bem - todos os homens
Matam a coisa amada;
Com galanteio alguns o fazem, enquanto outros
Com face amargurada;
Os covardes o fazem com um beijo,
Os bravos, com a espada! 

Frases de Oscar Wilde

Curta_A Janela Aberta

Propagandas Antigas_O primeiro Valisére a gente nunca esquece

Filme da agência W/Brasil, criação de Washington Olivetto para a empresa de Lingeries Valisère. O bordão "O primeiro Valisére a gente nunca esquece" criado em 1987 para a campanha é a mais conhecida frase da história da propaganda no Brasil.
Com a Atriz Patricia Luchesi com apenas 11 anos na época.

Jingles_ Brinquedos Estrela

Propagandas Antigas_Cobertores Parayba -Já é hora de Dormir

1961

Propagandas Antigas_Cotonetes Johnson & Johnson

Bronze no Festival de Cannes em 1978.
Produzido pela Start Anima

Curta_Palíndromo, de Philippe Barcinski

Rachel Brice_Tribal Fusion


 













sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

O Corvo_Edgar Allan Poe

O Corvo, poema de Edgar Alan Poe, tradução de Milton Amado.



Versão 2
O Corvo Poema The Raven de Edgar Allan Poe Legendado.

O Gato Preto_Animação

Adaptação do conto de Edgar Alan Poe, O Gato Preto.

O Jumento Santo_Animação

Parte 1



Parte 2

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Bohemian Rhapsody LEGO

Grease - Summer Nights Lego Stop Motion Animation

Tour Além dos Túmulos em São Paulo

Passeio Turístico pelos lugares Históricos mais sombrios e macabros de São Paulo. Muita História e diversão para quem não tem medo do sobrenatural.


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

O Descartável_ Curta de Animação

Curta sobre a vida do Alferes Joaquim José da Silva Xavier, o herói descartável.

Propagandas Antigas_ As Gotinhas da ESSO

Nos anos 60 tambem usou-se a animação, um exemplo clássico são as Gotinhas da Esso, ao som da bossa nova e do samba.

Propagandas Antigas_ Coca-Cola

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Beats Antique_Tribal Derivation

Beats Antique trouxe o paradoxo da música eletro-acústica para o futuro.

Site Beats Antique

Álbum Tribal Derivations



Conheça a Zombie Walk

As Zombie Walks são consideradas por muitos participantes como um evento underground. Durante o evento, os participantes se caracterizam como zumbis e se comunicam como zumbis (iguais aos filmes de horror), grunhindo, gemendo e gritando "miolos" ou "cérebros".
Uma das primeiras Zombie Walks ocorreu em Outubro de 2003, em Toronto, Canadá, com apenas seis participantes, e obteveram grande repercursão. Em 27 de Agosto de 2005 ocorreu em Vancouver, Canadá, a primeira Zombie Walk em grande escala, com mais de 400 participantes caminhando por mais de 35 quadras no centro da cidade. A primeira Zombie Walk realizada no Brasil foi em Belém, em 29 de Outubro de 2006. Em Curitiba a Zombie Walk acontece há três anos durante o Carnaval.

Veja mais: Zombie Walk em Curitiba no Carnaval de 2009.


Este ano a Zombie Walk em Curitiba acontece neste domingo 14 de Fevereiro.

 

Muito horror punk e psycobilly.


Fonte: Wikipédia, You Tube

Sharon Kihara_Tribal Fusion






Uma mistura exótica de japonês, europeu e ascendência americana nativa com uma paixão pela fusão criativa na arte, música e dança, Sharon Kihara começou a estudar balé clássico e jazz aos 4 anos, antes de transferir o seu amor para a dança do ventre aos 14 anos e, finalmente, Estilo Tribal. Sharon vem realizando e ensinando Tribal Fusion na área de San Francisco e no exterior desde 1999, e excursionando com o Bellydance Superstars desde o início de 2004. Estuda dança moderna e dança afro-haitiana, pilates e ioga. Sharon Ministra workshops e seminários por todo o mundo, inclusive no Brasil.